Saturday, September 23, 2006

Image Hosted by ImageShack.us
O Pó Mágico.
-
Este é um daqueles assuntos em que tenho de ter cuidado para não parecer excessivamente paternalista, roçando o moralista, ou distante e impiadosamemte analítica.
A segunda opção, seria provavelmente a mais adequada para tratar este tema. Mas, isto é o Alien's Corner e nos meus textos eu gosto de lhes conferir uma certa ligeireza.
Textos chatos ninguém lê.
-
Dito isto. Vamos lá ao trabalho ( esfrego as mãos).
Todos nós sabemos aonde o "pó", cocaína entre outros nos leva. À nossa sepultura mais rápido. Não vou entrar por aí, não vou falar dos desgraçados que andam a arrumar carros, nem do vizinho do quinto andar que anda sempre com uma monumental pedrada. Esses, muitos já estão perdidos, custa escrever isto, mas é a nossa realidade.
-
Este texto é direccionado às nossas crianças.
O que fazer para que mais tarde o " pó mágico" não dê cabo das suas vidas.
-
Eu tenho uma perspectiva sobre o assunto que outras pessoas partilham.
Pais, quando os vossos filhos chegarem a "tal idade" não vale a pena pegarem na seringa e impingirem o discurso de que a droga mata porque a curiosidade vai ser mais forte.
-
O mais sensato a meu ver, será ter sim uma conversa com eles e até porque não, dar ao seu filho a fumar o primeiro charro. Mata o primeiro bicho, o da curiosidade. Que é o motor que leva muitos adolescentes a procurarem o dito cujo antes de tudo mais.
-
Obviamente, que eu não estou a oferecer uma receita: " Ei!, pais façam isto e garanto que o seu filho não será um drogado no futuro."
-
A educação que é dada ao seu filho pode ser das melhores e ele acabar por cair nas teias da droga. Acontece, mas acontece muito mais se não lhe a der. E nunca desistir é a chave, mesmo quando eles entram na parva da adolescência.
-
Como já devem ter percebido, eu não mencionei as políticas desastrosas do governo nesta área, nem os milhões que o mundo da droga faz rolar. Isto tudo já vocês estão cansados de saber, e sinceramente termos um debate sobre isso é andarmos às voltas.
-
A minha intenção com este texto é pensar como ajudar aqueles que por agora, ainda nem sequer sabem o que é a droga.
-
Mais uma coisa, existem pais que têm vergonha a mais. Se o vosso filho é menor e tem um problema com drogas a resposta é uma: internamento.
Não há que ter vergonha de ter o filho internado, vergonha é deixar morrer o seu filho.
-
Desde cedo, aprendam a dizer "Não!" aos vossos filhos. Se isso não acontecer, um dia poderão estar a dar-lhes dinheiro para se irem injectar.
-
Há os defensores de que as drogas leves não levam às drogas duras. E os que acreditam no oposto.
Eu digo-vos, todas as drogas são uma merda e mexem com o cérebro. Até o tabaco, que por acaso estou agora a fumar.
-
Pais, não deixem que vos emprenhem pelos ouvidos, leves ou duras são drogas!
Afastá-las dos vossos filhos é a vossa missão.
-
Para não vos massacrar mais por agora, vou apenas dedicar este texto às pessoas que já perderam alguém para este maldito vício e para os que se foram.
-
Luís podias ter sido um grande futebolista
(Achavas que ias só ficar pelas drogas leves)
-

76 Comments:

At 5:38 AM, Blogger pedro oliveira said...

O problema não está na coisa em si está no abuso da coisa. Um cigarro depois das refeições ou um copo às refeições não me parece mal.
Com as drogas é algo semelhante os «índios» da América do Sul mascam e mascaram folhas de coca e não acabam a arrumar carros (o que seria, manifestamente, difícil).

 
At 5:43 AM, Blogger Alien David Sousa said...

O problema pedro é quando tu inalas umas linhas de coca numa sexta e outras na sexta seguinte e a droga gulosa toma conta de ti e pronto. Estás viciado.
Mas não é isto que eu quero debater aqui, mas sim, ideias para que os putos de hoje não se agarrem amanhã.
O meu "Target" no texto são as crianças e, como é que se evita que estas caiam????

 
At 10:46 AM, Blogger pedro oliveira said...

Não se evita.
O problema não são as crianças, são os pais das crianças.
Os pais que lhe impõem a competividade, que os levam a «castings», que lhes dizem que o ter é melhor que o ser.
No outro extremo estão os putos que há uns anos cheiravam cola no metro. Sinceramente preocupam-me mais essas crianças cuja mãe se mata a trabalhar nas casas grandes dos nossos dias, cujos pais vão caindo dos andaimes que os outros. Os nossos filhos, os filhos cujos pais brincam aos «blogs», têm plasmas pendurados em paredes que serão nossas quando passarem 45 anos e o empréstimo estiver pago, têm «play-station», «i-pod», têm a mãe a tomar anti-depressivos, o pai álcool. Têm o «ballet», a equitação e a natação ... mas não têm amor, porque o amor não é darmos objectos é darmo-nos é transmitirmos valores.
Apesar disso haverá sempre miúdos que vão experimentar, experimentar o novo é a essência da vida humana.

 
At 1:44 PM, Blogger NoKas said...

Nem sempre amor é sinónimo de educação: há pessoas cheias de amor que se deixam levar e há pessoas com uma vida desgraçada que nunca tocaram em droga alguma! Acho que fórmulas não existem. Existem tantos factores a ter em conta. Mas acho, e creio que isto se estende a todos os níveis e problemas, que a informação é uma arma poderosa: se informarmos, se mostrarmos, se debatermos.... em frente das crianças.... se as levarmos a terem um espírito crítico, a saberem tomar decisões por si, a serem independentes e a não se envergonharem por dizerem NÃO aos amigos.... talvez ajude! Mas se calhar é também necessário cuidar dos pais e educá-los.

 
At 2:35 PM, Blogger Ludwig said...

Para mim o tabaco não passa de droga legal, que não prejudica apenas quem fuma, mas todos os que se encontram presentes. Há cada vez mais jovens a fumar.. O que fazem os pais? Estão no escritório a trabalhar e quando chegam a casa têm o filho exemplar a dormir faz 2 horas.
Depois os jovens nem sempre se drogam por curiosidade, há sempre aquela vontade de se mostrar superior. Mas a atenção nas escolas também é praticamente nula.

 
At 5:41 PM, Blogger zapiw said...

Ola
Finalmente cá estou novamente.
Ao ler o teu texto arrepiei-me, pois fez-me recordar os máus tempo que passei com a minha sobrinha.
Vivia com ela, de 15 anos na altura, com a minha irmã e a minha outra sobrinha que na altura tinha 5 anitos.
A B. (minha sobrinha) sempre soube o que eram as drogas, sempre tivemos muito cuidado para lhe explicar tudo, talvez fosse esse o mal, ela sabia demais. E aos 15 anos descobrimos que já se injectava com heroina há 2 anos, passámos muito, desde médicos no dia seguinte, até 24 horas de vigilancia, sobre 24 horas. Um dia fugiu e deu a injecção de ouro, esteve morta 4 minutos, ja estavam a escrever a hora do falecimento, quando uma bombeira dentro da ambulanci, disse: Esta miuda não pode morrer, ela tomava o antaxon, embora por vezes com a seringa tirava o liquido e punha agua, essa bombeira ao qual eu fico agradecida eternamente e conheço-a, deu-lhe uma injecção de antagonista , um deve ter reagido com outro, nao sei, mas a minha B. começou a respirar, felizmente.
Ficou com sequelas muito graves, de vez em kuando depressoes profundas, entre outras, afinal foram 4 minutos morta. O susto e um namorado que ela arranjou, e claro, nós andarmos sempre a vigiar fez dela uma bela rapariga, ela tá no meu blog, hoje com 21 anos, vive com o namorado em casa da minha irma e nem tabaco fuma.
Agora eu pergunto, teremos feito bem termos-lhe explicado tudo sobre drogas? Ou ela ficou com curiosidade ainda a mais? Não sei, já não vivo com elas, essa miuda que eu ajudei a criar axo que me roubou anos de vida com este problema, mas tá viva, ja entrou para a Universidade, a minha menina que esteve morta...
Desculpem, alonguei-me mais do k devia.
Alien nao te consegui responder ao mail, voltou para tras, por favor, diz-me os tais livros sim?
Obrigada amiga
jinhos

 
At 7:14 PM, Blogger tulipa_negra said...

concordo e assino por baixo.
acho que um miúdo meter-se na droga hoje em dia depende de muitos factores. a educação que recebe em casa pode ser fundamental, mas não é só isso... há muito mais como o ambiente, as companhias e até mesmo a personalidade do miúdo que vão influenciar o caminho que ele vai seguir... é tudo muito complicado e assustador..

 
At 8:19 PM, Blogger Alien David Sousa said...

Pedro, li o teu comentário e tenho de concordar contigo, não há como não concordar. Mas sabes do que me lembrei após ter lido as tuas palavras? Não sei se foi a palavra "competitividade". O facto é que cheguei a palavra " DIFERENÇA".
A publicidade está a usar muito esse caminho.
"Não sejas mais um, sê diferente. Diz não às drogas!"
Apelar aos jovens pela diferença, pela sua personalidade diferente. Falar numa linguagem que os faça sentir que não fazem parte de um rebanho de ovelhas.
Não sei, é um ideia que está a ser explorada.




Nokas,eu falei para os pais no texto. Acho que tens razão. E digo-te mais: existem pais que não estão minimamente preparados para lidar com um problema como este.
Também concordo quando dizes que um jovem pode ter tido a melhor educação e mesmo assim cair na teia da droga.
Na minha resposta ao comentário do Pedro falei na publicidade. Acho que esta está a ser muito esperta na abordagem a este tema.
bjs



Lud,eu sei que os jovens não se drogam só por curiosidade. A maioria quando estão naquela fase de querer saber o que é, esses é por curiosidade. Mas, claro que há outros que se drogam porque tem um mau ambiente em casa ou porque estão revoltados com o mundo, ou porque estão confusos, enfim; há milhares de razões. Fazer com que não fiquem agarrados é que é difícil. Começar é fácil.





ZAPIW, antes de mais, ainda bem que estás de volta :D
Sabes, eu não vou estar aqui bla bla bla prefiro que os outros visitantes leiam O TEU COMENTÁRIO PORQUE É UM TESTEMUNHO QUE VALE A PENA SER LIDO.
EU NÃO TENHO PALAVRAS. OS OUTROS QUE LEIAM O TEU TESTEMUNHO COMO EU FIZ.
bjs
p.s eu não me esqueci como viste dos livros ;)




Tulipa, a personalidade. Aí está! Concordo. Ninguém me sabe explicar porque motivo 2 irmãos criados debaixo do mesmo tecto. Um acaba metido na droga e o outro não.

 
At 10:11 PM, Blogger menir said...

Minha cara Alien, não há fórmulas. Cada um tem o seu universo privado e decide em conformidade com ele, resta-nos a informação, que sobre certos assuntos e encarada sem preconceitos, nunca é demais. (E esperar que chegue...)

 
At 10:15 PM, Blogger hole in my vein said...

A melhor maneira de evitar que os miudos entrem nessas coisas é mesmo a informação... não aquela história da carochinha, mas algo mais inteligente.Algo que os leve a pensar... se realmente vale a pena. Se a conclusão for que vale a pena, então temos um problema! Ou então o rapaz é sesato e até sabe o que faz... o que é raro, porque quando nos apercebemos estamos enterrados!!! bem, é um assunto delicado que tem que ser falado abertamente. E depois, no emio de tanta porcaria será que a droga é assim tão má??? bem, eu não gosto de mentir... por isso espero que nunca me perguntem isto!!!

 
At 12:21 AM, Blogger Dora said...

Por muito que digam mal da coca, ela deve ser muito boa senão as pessoas não ficavam gulosas por ela...

Esta foto está o máximo, muito boa!

Ai o raça da abelha que ainda não chegou aqui!

 
At 1:04 AM, Blogger Hindy said...

Também conhelo casos desses. É realmente muito triste.

Voltei mas estou quase de partida outra vez. Um beijinho "hindyado"!

 
At 2:03 AM, Blogger NoKas said...

Nenhuma droga é boa! O que acontece com esse tipo de substâncias é que elas mimam químicos que o nosso cérebro liberta. OU seja, o nosso cerebrozinho, quando estamos contentes ou temos uma sensação de bem estar liberta químicos... são eles que nos fazem sentir ainda melhor. Qualquer droga, mesmo o tabaco, dá uma sensação de bem estar. O problema é que a quantidade que metemos no nosso corpo, com a "droga" é monstruosa!!!!! E o corpo adapta-se rapidamente a essa quantidade. E quando não tem, ressente-se (n vou explicar o porquê, é muito grande a história)... O corpo está habituado a doses minúsculas, de repente leva com doses enormes, quando não as tem fica doente.... isto cria dependência. A pior parte: em relação a algumas drogas há também uma habituação. exemplo simples: analgésicos! Todos nós sabemos que se tomarmos com muita frequência analgésicos, quando sentirmos uma dor novamente uma dose pequenina já não chega, temos que tomar consecutivamente doses maiores!

Drogas como a cocaína provocam lesões cerebrias: matam neurónios! Ficamos chechés! literalmente! Para além da dependência psicológica a física deixa marcas horríveis. A sensação de prazer e libertação que as drogas dão inicialmente empurram-nos para um mundo paralelo e obscuro. As drogas.... e estou a falar de maneira geral.. NÃO SÃO BOAS!

Há que ter vários aspectos em atenção, eu não sou uma radicalzinha moralista:

1) Há uma predisposição genética para a dependência. Há quem consiga realmente largar mais facilmente.
2) As razões que levam a que alguém experimente são imensas... Umas mais tolas que outras, umas até muito bem fundamentadas. Não consigo julgar ninguém por depender de qualquer substância.. todos nós dependemos de alguma coisa, até de chocolate ou café. O princípio é exactamente o mesmo, o cacau, por exemplo, vicia. Mas uma barra de chocolate não nos mata neurónios, nem los leva a sermos marginalizados pela sociedade.
3) Droga, drogas.... são palavras minimalistas. Há substâncias que têm propriedades medicinais se forem bem usadas. Os produtos de origem são naturais e há povos que as usam com fins úteis! Não vale a pena fechar os olhos e banalizar tudo o que existe. É preciso é abrir os olhos e deixar que pessoas competentes controlem essas substâncias. Se eu me puzer a tomar anti-depressivos à toa sem controlo médico também não fico nada bem. No entanto os antidepressivos são medicamentos credenciados e quando aplicados de maneira controlada podem salvar vidas!


Desculpem o discurso enorme, mas essa história de deve ser bom se não as pessoas não faziam azedou-me o estômago! É como quem diz: não me chateies que eles lá sabem! Diz que sim, que até é boa a droga! Olha, paciência!

 
At 3:31 AM, Blogger Alien David Sousa said...

MENIR, que não há fórmulas, até aí já eu sei. Por quem me tomas, uma Alien Loira. Quando eu falo em tentarmos achar, ou procurar causas, pequenas motivações, é para que esta discussão seja o mais aberta possível.
Tu falas em informação, ok. Mas, será que todos os adolescentes que se metem nas drogas têm informação necessária? Ou não teremos de fazer algo mais nesse campo?




Hole ( covinhas), vou fazer copy/paste ;)
"será que todos os adolescentes que se metem nas drogas têm informação necessária? Ou não teremos de fazer algo mais nesse campo?"
Quanto à droga ser má. É má. Podes é sentires-te muito bem quando a tomas.
Lê mais abaixo o comentário da Nokas.



DORA, a cocaína é conhecida como a droga gulosa porque ao experimentares 1 vez sentes-te tão bem. Não ficas pedrado como a heroina que queres voltar a consumir cocaína, até...ficares agarrado. Thats it! Isto resumindo.
Só devolvo a abelha quando as outras me deixarem de picar :|



Hindy, se é.
Um beijo alienígena. :D



Nokas, EXCELENTE COMENTÁRIO. Não tenho NADA a acrescentar. OU até tenho: acho que devia de substituir o meu texto pelo teu comentário :D
bjs

 
At 4:34 AM, Blogger NoKas said...

Não exageres! :p O mérito da discussão é todo teu (e se tivessemos tempo desatava aqui a acontecer uma cena tipo gato fedorento em que estávamos uma hora a dizer: não não, você, ... não: você é que; concerteza que você é que....).

Boa noite!

 
At 5:01 AM, Blogger Alien David Sousa said...

Vai na volta és capaz de ter razão. De qualquer das formas VOCÊ esteve muito BEM no SEU comentário! :D
bjs

 
At 5:29 AM, Blogger totoia said...

Hoje fui sair, beber um copo...

Apareceu um rapaz que me deu 4 preservativos e um postal a ensinar como se consome drogas leves!

Perante o meu ar incrédulo, ele identificou-se e disse-me pertencer a uma associação ligada a uma Camâra que tem como objectivo ensinar os jovens a consumir drogas leves... e eu disse não deveriam dizer para não consumir, ele repondeu: Não vale a pena sermos moralistas, mais vale ensimar a consumir!

Eu ainda não me refiz do choque.

Ao ler aquele postal verifiquei que falam das drogas leves com um ar muito normal, como se fosse tudo na boa desde que não se misturasse, usasse roupas largas, etc...

Descupalem lá mas não acho isto nada nada normal!

 
At 5:55 AM, Blogger Alien David Sousa said...

Totoia, isso não é informação. Isso é um convite de porta aberta para os jovens começarem a dar nela. Drogas leves, são drogas. Não me venham com merdas. Quando se fuma um charro perdem-se neurónios.
Também fiquei parva quando li o teu comentário.

" ensinar os jovens a consumir drogas leves."

Eu gostava de saber que raio é preciso ensinar para se consumir drogas leves:
- Ora bem jovem, primeiro compra mortalhas, depois uma boa pedra de axe. A seguir aquece a pedra para que esta se desfaça....
Mas que raio???

Eu sei que há gente muito estupida, mas esses senhores que tomaram essa iniciativa estão no topo da estupidez.

Obrigada pelo teu testemunho. Isto contado por mim, iam pensar que estava a gozar.
bjs

 
At 6:44 AM, Blogger menir said...

Bom, essa dos folhetos informativos realmente não lembra ao diabo... Olha, os putos de hoje têm sorte se tiverem uns pais esclarecidos, porque não me parece que o governo ou a sociedade civil tenham abertura suficiente para encarar o problema de frente. Mas dizer o quê aos miudos? Explicar o que é um alterador de consciência, os seus efeitos e as mazelas que podem resultar do seu consumo parece-me muito académico... Diabolizar a coisa ainda parece-me porém muito pior (psicologia da contradição). E se tentarmos analisar de onde NOS chegou a informação?
A curiosidade vai existir sempre, quanto muito adiantamo-nos a ela e respondemos a todas as perguntas possíveis...
Quanto a neurónios, muitos neste país também se perdem com alcool (tenho saudades dos meus).
Olha, não sei se és loira, mas tens uma foto muito amarelinha...

 
At 7:46 AM, Blogger Alexandre o Grande said...

Eu julgo que tudo passa pela educação de casa, ou seja, pelo acompanhamento dos pais.
Quanto a serem os pais a oferecerem um charro, não concordo, sem falsos pudores. É que também podes estar a contribuir para lhes ensinares um mau caminho.

 
At 5:39 PM, Blogger Luzbel Guerrero said...

No começo pensei que ia achar ao fim uma nova atitude, considerando que já sabemos que as velhas não adiantam. Dar a provar o primeiro charuto é o primeiro passo duma larga conversa com ela/es. É um momento perigoso e eles compartem mais tempo com pessoas que não sabem e mesmo assim tentam se opor ao mundo.
É preciso uma terapia de acompanhamento mesmo que devamos procurar uma "raia" bem cumprida para eles sentirem o perigo. Dizer só NO é o que fizemos e já vê o resultado.

 
At 9:15 PM, Blogger Alien David Sousa said...

Menir os folhetos nem ao Diabo lembram. É um disparate sem limites.
Informação ,continuo a achar que é o caminho.
Epá sou Laranja, não loira. Vamos lá a distinguir as coisas.



Alexandre, quando falei de serem os pais a darem o primeiro charro aos filhos, é uma ideia recorrente. Se eles experimentarem perante os país, talvez não vão consumir às escondidas! Não sei, pode ser um grande disparate, ou talvez não.
Sei de quem já o fez e os filhos nunca mais manifestaram interesse pelas drogas. É um risco, pode ou não resultar. Por isso uma parte de mim concorda contigo.




Luzbel,concordo que limitarmo-nos a dizer "NÃO" é pouco e não chega.
Continuo a bater na tecla da informação. E aqui a publicidade tem um papel muito importante.
Já o mencionei antes Luzbel, tentar pegar na coisa pela "DIFERENÇA". "SÊ diferente ,não sigas o caminho dos outros".
Campanhas do género...
Fica bem


*LEIAM O COMENTÁRIO DA TOTOIA

 
At 9:16 PM, Blogger hole in my vein said...

já vi que não fui entendido! Mas não se pode fazer mais. Se é isso que achas ser preciso! É como a mortalidade da estrada. Andar depressa é perigoso mas no entanto pensamos que é perigoso para os outros. Na droga é igual, só os outros é que se enterram, eu não porque sou muito mais consciente!!! Por isso, a informação que me refiro é o diálogo dos pais com os filhos. Tudo o resto, desde anuncios, panfletos informativos, campanhas... tudo tem valor. Mas chega a um ponto que fazer mais nessa direcção não vai trazer nada de novo. Chega-se a um ponto de exaustão! Nós estamos nesse ponto! Que há mais a fazer??? Toda a gente sabe que é mau e por aí fora!!!! Onde está o erro???? Pois, isto é o normal! Queremos respostas mas as perguntas são as erradas! Procuremos as perguntas certas!
Quais os motivos para alguém, mesmo com toda a informção, consumir droga?
certamente vão aparecer imensas respostas e todas elas sem uma prevenção possivel! É tramado, mas é verdade!

 
At 9:26 PM, Blogger Alien David Sousa said...

Hole ( covinhas), desculpa se imcompreendido.
Sim, eu falei disso no texto:" é o diálogo dos pais com os filhos" é VITAL.

"Quais os motivos para alguém, mesmo com toda a informção, consumir droga? "

Eu fiz essa pergunta aqui HOLE, intriga-me como por exemplo, dois irmãos criados pelos mesmos pais, um cai nas teias da droga e o outro não?.
Eu vou fazer um apelo Hole, mas sei que as respostas vão ser a "sociedade" "educação"....etc

OK ENTÃO FAÇO AQUI UM APELO: O QUE LEVA UM ADOLESCENTE A ENTRAR NO MUNDO DAS DROGAS?


p.s foste compreendido agora? ;)

 
At 10:23 PM, Blogger hole in my vein said...

sim... aparentemente sim!!!

Como vês, o caso que dás é de explicação dificil. Já joga com a personalidade de cada um!
E é essa a questão. A personalidade de cada um. Eu vejo teorias dos maleficios. Grandes desenvolvimentos daquilo que toda a gente sabe! Onde nos leva? a nenhum lado.
O problema é que cada vez conhecemos pior quem está perto. E para lidar com situações é preciso conhecer as pessoas. isto passa-se nas relações pais filhos. Por exemplo, se o filho for preocupado com a saude, é bem provavel que a informação dos maleficios seja eficaz. Se for uma pessoa mais virada para uma carreira profissional é melhor explicar que tomando drogas depois isso fica registado e é dificil entrar no mercado de trabalho! E com isto podemos fazer muito mais... não fazendo da droga papel principal mas sim aquilo que damos mais valor na vida!! Somos humanos, não máquinas que conseguem carregar teorias...

 
At 11:24 PM, Blogger Alien David Sousa said...

Hole ( covinhas)
"Por exemplo, se o filho for preocupado com a saude, é bem provavel que a informação dos maleficios seja eficaz."

Há sempre as excepções.Eu conheço um que era todo virado para a saude e que acabou metido na droga. Mas faz sentido a tua teoria.

Concordo contigo, se fossemos máquinas mastava criar um programa qualquer que nos afastasse das drogas.
Como não somos...
Um bjs


*LEIAM O COMENTÁRIO DA TOTOIA
(Não dá para acreditar, será aquilo informação? )

 
At 11:31 PM, Blogger Zorze said...

Queria partilhar a minha experiência e a minha opinião:

1- A vida das pessoas, ou melhor, das adolescentes, não se controlam - e só devem ser controladas até certo ponto. Acho uma palermice os pais tentarem dominar a vida dos filhos e os seus percursos. Temos de concordar que tudo não passa de uma questão de sorte.

2- Eu tive uma educação bastante boa, mas isso não me impediu de circular em grupos, onde a boémia, a erva, os livros, as quecas para esvaziamento sempre estiveram presentes. Hoje, não me considero melhor ou pior do que ninguém! Posso dizer que tenho uma boa vivência!

3- Conheci gente que viu os pais enforcarem-se, gente sem amor, gente desmazelada, gente que passou por situações de risco. A mim já me apontaram uma arma à cabeça. Estive em risco de vida em pelo menos três situações e isso não teve nada a ver com o consumo de drogas.

4- Acredito, e para ir de encontro ao post, que a única coisa que os pais podem fazer é ajudarem os filhos a conhecerem-se a eles próprios. Uma personalidade forte é meio caminho andado para um vida sem grandes riscos e dependâncias!

5- E um indivíduo com uma personalidade forte não é parvo o suficiente para passar de um charrito ao final do dia para outro tipo de droga. Se quiserem posso-vos dar 40 casos como exemplo de uma vez só!!!

***, beijos primo

 
At 11:37 PM, Blogger hole in my vein said...

O meu aplauso de pá para o Zorze... sim senhor... é isso que eu tento dizer mas sabes, comigo é mais números... :)

Oh Alien, eu respondi lá no estaminé ao "parto-te todo". Esta expressão sempre me amedrontou porque é realmente possivel partirem-me todo!!! Melhor, não é só possível, é relativamente fácil!

 
At 11:38 PM, Blogger hole in my vein said...

óbviamente não é aplauso de pá, mas sim aplauso de é....

ai que nunca mais vou tomar aquele café....

 
At 11:38 PM, Blogger hole in my vein said...

hum.... de pé....
assim sim....

#%"&&"%&#%"&(% lá para o teclado

 
At 12:42 AM, Blogger menir said...

Bela zurzidela, Zorze. Também faço minhas as tuas palavras.

 
At 1:28 AM, Blogger marakoka said...

cheirou.me....
cheirei....
opssss...nnão sei...rimei......´
pó...
era isso ..achei...
ops que estava desesperada

jocas maradas de pó...talco....
psssttt nada de quimicos"manos"

 
At 3:03 AM, Blogger Alien David Sousa said...

Primo Zorze, " personalidade forte é meio caminho andado para um vida sem grandes riscos e dependâncias!"

Obrigada pelo teu comentário. Foi sem dúvida um dos mais pujantes!!
Tu tás lá primo!Tal como o Hole, tens o meu aplauso, mas um alienígena :D



Hole ( covinhas) é uma expressão carinhosa.:D Tu é que não a sabes intrepertar ;)



Menir, parece que o meu primo Zorze chegou aqui para arrumar a casa :D


Marakoka LOL You crasy girl!!! :D

 
At 3:10 AM, Blogger Luzbel Guerrero said...

¡Bravo Seu Zorze!

 
At 3:55 AM, Blogger Miudaaa said...

Um tema preocupante e para o qual só a atenção especial e dedicação dos pais, tutores, amigos poderá salvar quem for mais fraco e não tiver a minima consciencia do acto que por mera experiencia poderá ser fatidico.
Bom Testemunho e que jamais será demais falarmos e darmos a ler...
Parabéns Alien preferida da miudaaa

 
At 4:25 AM, Blogger psac74 said...

Cara alien,

Tenho filhos e esse é um dos aspectos que mais me preocupa no futuro. Na verdade, é uma incógnita. Não acho que sejam os pais, os filhos, a competitividade, dar a experimentar ou não, mas sim a soma de todos e mais alguns. É muito complexo.

 
At 5:13 AM, Blogger Alien David Sousa said...

É Miudaaaa é preocupante. O Zorze deu aqui um bom testemunho. Mas nem todas as pessoas são iguais. No caso dele, ele teve uma educação "bastante boa", mas existem os outros. Os que não a vão ter. Ele não caiu, mas e os outros? Vamos andar sempre com esas interrogações atrás.
Falámos de personalidade. Há quem seja o cordeiro, aquele que segue os outros...enfim, concordo contigo: os pais têm um papel fundamental, assim como os media...o resto: vamos deixar à sorte?
bjs



psac74,"Não acho que sejam os pais, os filhos, a competitividade, dar a experimentar ou não, mas sim a soma de todos e mais alguns"
Gostava de saber quais são os " MAIS ALGUNS"
Fica bem

 
At 1:45 PM, Blogger Visi said...

Bom tema!

Penso que em certos casos um BOM TESTEMUNHO é o melhor discurso!E este é um casos desses.

Posso dizer que infelizmente passei uma (grande) fase da minha vida dentro desse INFERNO.Vivi-o dentro da minha propria casa, ainda eu com os meus 20 anos. A droga é uma coisa que entra sem convite. Tive tres familiares meus (dois=um casal com filhas) que se envolveram mas tambem porque já na adolescencia a oferta era grande.
Para começae há dois factores, no meu ponto de vista!, que são criciais:
A ENVOLVÊNCIA FAMILIAR E A PERSONALIDADE.
Tenho que resumir pois não sairia daqui e a minha chefe fulminava-me:D

As drogas chegam de uma forma ALICIANTE E LEVE: "não te preocupes, tens tudo sob controle";"não ficaras agarrado, vai ver, umas passas são para urtires a noite/esquecer os teus problemas"

Ao entrar-se dificilmente já se consegue sair por SIMPLESMENTE TOMA CONTA DA VONTADE DA PESSOA.O vicio conduz á MENTIRA E AO ROUBO.São outras duas facetas que não só destroiem cquem consome como que os rodeia.Vem então a falta de responsabilidade, e quando chega a oferta do "mais pesado" e oportunidade de experimentar outras coisas, não se olja para traz.Mais uma vez "tenho tudo sob controlo"

A maior mentira da droga é essa mesmo!E quando damos conta estamos tao metidos na m...quanto eles.

A minha felicidade foi nunca querer. Sempre tive consciencia do perigo e alem de ter um filho que necessitava de mim LUCIDA a minha personalidade não dava para aquilo. Gosto de estar "bem", pelo menos nos meus 5 (ou 6) sentidos.

Foi muito dramatico, tive de ter "tomates" deixar o sentimentalismo e tomar decisoes duras. Nestes casos há que ser muito duro e forte caso contrario é A RUINA DE TODOS.mAS "ELES" NÃO SE DAO POR VENCIDOS...SAIEM DAS INSTITUIÇÕES peensando que já esta tudo bem e que não necessitam mais de internamento. Passado pouco tempo cairam novamente.

A droga é mesmo um inferno.Leva a um monte de desgraças.

Para mim prevenir é muito subsjectivo, quase impossivel "ELA" entra de muitas formas.

Agora o importante é quem esta ao redor saber dizer BASTA, NÃO E AGORA QUEM MANDA NA MINHA VIDA SOU EU!!Se queres ajuda tê-la-as mas á minha maneira....Temos de ser fortes.

É NECESSARIO MUITO CUIDADO COM UM TOXICODEPENDENTE POIS SÃO MESTRES NA MENTIRA, NA ARTE DE ENGANAR, E DE USAR CHANTAGEM EMOCIONAL!!

Uma pessoa "espectacular" fica completamente estragada, transformada pela droga.

Bjos.

 
At 2:59 PM, Blogger Tia Cremilde said...

dado que o atrevimento da tia não desaparece com a idade, venho dar resposta ao teu comentário desafiuador e comento. Não é que esteja dentro do assunto, mas julgo que de um modo muito amplo tudo se reduz a uma questão de bom senso e educação. Muito se poderia dizer acerca deste assunto, mas queria apenas focar estes dois aspectos (bom senso e educação) que apesar de "simplórios" explicam muita coisa. ambos estão interligados... não poderá haver uma boa educação se não houver bom senso na mesma. se os pais estão à espera que seja a escola a educá-los para a vida, então estão a hipotecar o futuro dos filhos. A questão do bom senso encaixa na parte do "experimentar" que todos nós passamos. Haja bom senso para experimentar e haja bom senso para perceber e tomar consciência que tudo começa com uma 1ª vez...

acho que já falei demais!

beijoca da tia. boa semana!

 
At 3:32 PM, Blogger Bolacha de Aveia said...

Acho que há informação estúpida a mais e como qualquer estudante de comunicação social sabe: quanto maior for a informação mais as pessoas ficam imunes a ela... acho que todos temos de passar por uma experiencia traumatizante... só vivendo as coisas, nem que seja a vida do nosso vizinho conseguimos aprendemos a bater com a cabeça, porque uma vez o vimos a agonizar à porta de casa...

 
At 3:39 PM, Blogger Tuche said...

Bom dia amiga Alien,

Acho que estás certissima na forma como pensas e falas neste assunto.
Eu já perdi muitos amigos infelizmente por causa da droga, mais concretamente Heroína.
penso muitas vezes agora que sou Mãe a forma como vou fazer ver á minha filha que este não é o caminho, mas sabes tenho um sobrinho de 19 anos e a ele muitas vezes o alertei e lhe disse que fumei o meu 1º charro com 15 anos e claro não me orgulho nada disso mas orgulho-me de não me ter deixado influenciar como outros(as) amigos que entraram no buraco por serem mais fracos de cabeça. Sempre lhe disse que se um dia quisesse experimentar que o fizesse comigo e o certo é que foi e ele até hoje é um miúdo felizmente equilibrado nesse aspecto.

beijo

 
At 4:22 PM, Blogger Nunovsky said...

Quando falas no final no Luis, até me arrepiei. Não o conheço, sei que há muita gente como ele, mas o facto de conheceres alguém nestas condições é triste.
Escelente iniciativa, Alien. E li o texto, sim ;)

 
At 5:00 PM, Blogger Visi said...

OK talvez me tanha afastado da tua intenção: PREVENIR.
Como salientei atraz acho subjecivo apesar de termos de fazer a nossa parte que é:

EDUCAR DENTRO DOS VALORES
MOSTRAR O NEGATIVO DA QUESTÃO, DAR EXEMPLOS, LEVAR AS CRIANÇAS, INCLUSIVÉ, E SE POSSIVEL, A HOSPITAIS PARA VEREM O ESTADO DAS PESSOAS, LEVAR A LOCAIS TIPO "CASAL VENTOSO" PARA SE ENCHERGAR A DEGRADAÇÃO FISICA E MORAL...
Eu tento dar essa "consciência" ao meu filho mais velho, mas há um factor importantissimo: a pressaõ do meio envolvente:diz-me com quem andas, dire-te-ei quem es.Os amigos têm de certa forma muito mais influência que nos pais.!

ENFIM, HÁ 1001 COISAS QUE SE PODEM RELATAR.DESPERTAR CONSCIÊNCIAS É IMPORTANTE MAS (faço um comparação: muito se sabe do tabaco, muito se sabe da importancia dos preservativos MAS NA HORA "H"...)


Bjos.Dá pano para mangas.

 
At 5:05 PM, Blogger © JJCN 07 said...

Um tema sempre pertinente...

A partir deste ano tenho que ter um cuidado especial com esta matéria...e com o meu rapaz...
A ver se ele passa ao lado...como eu no passado consegui...

Um perigo...uma maldição a evitar a todo o custo...

Obrigado por este alerta !

 
At 5:07 PM, Blogger Visi said...

ADENDA(LOLOL)


O MAL DA HUMANIDADE É UM MAL ESPIRITUAL,NÃO DE CULTURA, dai "não haver explicação para tantas coisas acontecerem"


Há nas "familias de bem" muitos casos de droga e desgraças advindas dai...por isso não se pode dizer que é uma questão de educação ou disto e daquilo.

MUITO COMPLICADO JULGAR E AVALIAR!


(sorry...o esticanço:D)

 
At 6:11 PM, Blogger @ said...

"Acredito, e para ir de encontro ao post, que a única coisa que os pais podem fazer é ajudarem os filhos a conhecerem-se a eles próprios. Uma personalidade forte é meio caminho andado para um vida sem grandes riscos e dependâncias!

E um indivíduo com uma personalidade forte não é parvo o suficiente para passar de um charrito ao final do dia para outro tipo de droga."

olá Alien! eu concordo com o Zorze.Claro que tudo isso passa por muito diálogo e abertura em relação a todos os assuntos. Não se pode esconder a realidade, nem mascarar os factos; também não podemos proibir os filhos,mas também não podemos superprotegê-los. è de facto importante ajudá-los a criar a sua própria identidade e fazê-los ter consciência de que não têm neces´sariamente de pertencer a este ou àquele grupo...ou que podem fazê-lo sem deixarem de ser quem são. para isso é importante incutir-lhes autoestima e amor próprio.
Devo dizer que enquanto mãe o meu maior medo não é a existência desses problemas(uma vez k sempre existiram e não têm uma solução assim tão imediata, e se tiverem outros surgirão), mas não ser capaz de estar ao lado do meu filho da forma mais adequada.

 
At 6:13 PM, Blogger @ said...

(ai...esqueci-me dos beijos)

BEIJOSSSSSSSSS

 
At 6:16 PM, Blogger Barão da Tróia II said...

Gostei do teu post, muito mesmo. Passei por muita merda na minha vida incluíndo um pequeno problema de heroína, só a minha família me salvou de não cair no buraco.

P.S.- O meu pai é camionista a minha mãe é empregada de limpeza, ele tem a 4ª classe ela a 3ª, são é doutorados com distinção em Amor, Carinho e Compreensão.

 
At 8:59 PM, Blogger Alien David Sousa said...

Visonária, nem sei por onde começar ;)
"As drogas chegam de uma forma ALICIANTE E LEVE: "não te preocupes, tens tudo sob controle";"não ficaras agarrado, vai ver, umas passas são para urtires a noite/esquecer os teus problemas"
Este é um dos motivos de debate. As drogas leves levam às drogas duras?
Eu acho que em certos casos SIM. Noutros, não. Por isso o melhor é ficar longe delas.

Vou comentar os teus 3 post num só :D


"Eu tento dar essa "consciência" ao meu filho mais velho, mas há um factor importantíssimo: a pressaõ do meio envolvente:diz-me com quem andas, dire-te-ei quem es.Os amigos têm de certa forma muito mais influência que nos pais.!"

Aqui tens toda a razão. Se o teu filho, ou outro miúdo qualquer não tiver uma personalidade forte e uma cabeça feita, vai certamente seguir os amigos.

"O MAL DA HUMANIDADE É UM MAL ESPIRITUAL,NÃO DE CULTURA"

O mal da humanidade são os $$$$$$ que a droga rende. Mas percebi o teu ponto.
Bjs
p.s estica-te sempre ;)




Tia,"se os pais estão à espera que seja a escola a educá-los para a vida, então estão a hipotecar o futuro dos filhos.

Nem sempre o bom senso e a educação ajudam. Há muitos rapazes que tiveram uma boa educação e acabam metidos na droga.
Quanto ao bom senso , aí estamos de acordo Tia, se o adolescente tiver o bom senso para destinguir o que lhe pode fazer bem e o que pode fazer mal. As coisas resultam
Obrigada por ter aceite o desafio, a Tia realmente está em forma.
Só uma coisa, ainda estou À espera daquele moreno que lhe pedi ;)
bjs



Bolachinha, não concordo. Não concordo que para um adolescente ficar longe das drogas tem necessariamente de ver alguém a ficar mal resultando do consumo das mesmas.
Então o que faríamos com os jovens que não têm exemplos desses em seu redor?
Quanto à informação, há que saber fazer as coisas. Não é atirar cá para fora panfletos atrás uns dos outros.
bjs



Tuché, " Sempre lhe disse que se um dia quisesse experimentar que o fizesse comigo e o certo é que foi e ele até hoje é um miúdo felizmente equilibrado nesse aspecto."

Eu penso assim, deu certo com o teu sobrinho porque tu já tinhas estabelecido uma relação de confiança com ele. E até já tinhas ajudado com que ele tivesse uma boa cabeça.Se esses passos estiverem dados...o experimentar o xaro é sempre melhor com alguém de casa do que com um grupo qualquer na rua.
BOA!
Bjs




Nuno, tu és um querido!Obrigada por teres lido o texto. :D



JJ mágico da lente, não tens de me agradecer. Toma é conta do teu puto.



A, "autoestima e amor próprio."
Palavras chave.Ana, se tu lhe incutires as palavras chaves e ajudares a construir uma personalidade forte, claro que VAIS CONSEGUIR ESTAR AO LADO DELE DE UMA FORMA ADEQUADA. Porque a parte mais importante tens vindo a fazer.
Bjsssssss





Barão da Tróia II, tenho que confessar que o teu comentário de todos os que aqui estão FOI O QUE MAIS ME EMOCIONOU. O Zorze deu aqui o seu testemunho que foi poderoso. Mas o teu foi o QUE ME EMOCIONOU mesmo.
COPY/PASTE:

“Passei por muita merda na minha vida incluíndo um pequeno problema de heroína, só a minha família me salvou”

“O meu pai é camionista a minha mãe é empregada de limpeza, ele tem a 4ª classe ela a 3ª, são é doutorados com distinção em Amor, Carinho e Compreensão”

 
At 12:08 AM, Blogger aquelabruxa said...

a questão das drogas, como da gravidez na adolescência, como de tantas outras coisas, é, também, uma questão de sorte. sorte de encontrar os amigos certos, sorte de ter limites (físicos e psicológicos)que não permitam certos abusos do corpo e da mente, sorte de ser bonito/a e/ou seguro/a e não se enfiar na primeira relação amorosa que lhe aparecer à frente, etc.
era só isto que queria dizer. a educação é importante, sem a menor dúvida, mas a adolescência é a idade do armário, e muitas vezes os mais bem educados têm um "vaipe" que outros, com vidas bem piores e pais ausentes, não têm.

 
At 12:32 AM, Blogger Alien David Sousa said...

Aquelabruxa, entendi a do VAIPE. E concordo aí contigo.
Só acho um pouco redutor acharmos que depende da sorte os miúdos entrarem na droga .Há outros factores nesta equação.
Bjs
p.s outro para o gatinho branco

 
At 1:16 AM, Blogger Alien8 said...

Falar do assunto é a primeira coisa a fazer. Aqui, por exemplo, onde e como o fazes.
Não me parece que o primeiro charro deva vir dos pais. Não serve como experiência. A experiência, a existir, há-de partir sempre dos amigos, do "pessoal", porque assim é que dá gozo.
Há coisas, por outro lado, cujo consumo é impossível de controlar, pelo que o uso inevitavelmente conduzirá ao abuso (isto está mais do que clinicamente comprovado, e nem sequer tem discussão). Já o próprio cigarro é dificílimo de controlar, quanto mais a coca, o crack e por aí adiante. Também creio que o problema afecta pobres e ricos, por razões emelhantes e por razões diferentes.
Não há receitas, como bem se disse. Há que haver firmeza, e responsabilidade no combate à penetração da droga nas crianças, sem demagogia nem pezinhos de lã para não assustar ou fazer papel de mau. Muitas vezes, fazer papel de mau é a única solução - e acaba por ser, logicamente, uma boa, e não uma má actuação.
Outra questão: terá que haver uma experiência? Sempre? Há tantas coisas que nunca se experimentam, porquê experimentar o que pode tornar-se fatal? Para quê brincar com o fogo?
Erradicar a droga, como se erradicou a tuberculose (que, mesmo assim, está de volta...) ou a lepra (idem, idem...) pressuporia uma sociedade diferente. Uma sociedade em que a droga não pudesse ser negócio milionário. Não pudesse ser negócio ponto final. Por aí talvez se conseguisse algo mais sério do que o salvas-se A, trama-se B, que é a triste realidade que enfrentamos. Com cada vez mais Bês do que Às.
E que temos, por isso mesmo, que combater por todos sos meios, pensando no problema, discutindo-o, procurando soluções, agindo sem demora nem contemplações.

 
At 2:41 AM, Blogger Alien David Sousa said...

Mano ALien8, " Outra questão: terá que haver uma experiência? Sempre? Há tantas coisas que nunca se experimentam, porquê experimentar o que pode tornar-se fatal? Para quê brincar com o fogo?"

Peguei nesta parte do teu texto porque ainda ninguém colocou esta questão.
No que me toca, conheço pessoas que nunca tocaram num xaro. Mas também sei que estão em minoria e o que temos de atacar é a maioria.
Seria bom que umas palavras dos pais evitassem que essa experiência se desse, mas isso é uma utopia.
Bjs alienígenas

 
At 3:10 AM, Blogger Casemiro dos Plásticos said...

mentes abertas é o que tem de acontecer...

 
At 2:27 PM, Blogger O Monarca said...

Bom dia! Não querendo ser ignorante dos restantes comentários, mas não tenho mesmo tempo para os ler em condições e para me alongar numa resposta, as usual, tenho a dizer que é preciso conhecer as crianças. Não é tê-las e mandá-las para as melhores escolas, com as melhores condições, etc etc.

É tudo uma questão de meios. Já nos meus tempos de "infante" me diziam que uma maçã boa ao lado de uma podre, podre fica. "Cuidado com as companhias." Portanto conheçam os vossos filhos, os seus círculos de amigos e tornem-se, se possível, parte desses círculos. Tornem-se acessíveis. Tornem-se alguém que as crianças reconheçam como confessor, que se orgulhem (as crianças) de nos terem como pais. Ensinem pelo exemplo. Não é preciso carradas de amor e um lar cor-de-rosa. É necessário haver uma noção de família, de unidade, de dever, e por vezes isso existe sem grandes demonstrações de afecto. Parece a militarização de uma família, mas mais importante que afecto nestas situações, é de ordem. De noção de correcto e de errado. De que a vida é de facto cinzenta, mas os extremos (claro, escuro) ainda lá estão, e é preciso saber navegar.

Estejam lá e façam-nas sentir que têm algo em dívida para quem as educou. Só assim é que elas retribuem, indo de encontro às nossas formas de as educar.

(Sempre a mesma história que cá venho... looooooongo :p)

Beijos.

 
At 2:49 PM, Blogger aquelabruxa said...

a necessidade de experimentar ou não (ou poder correr esse risco) depende do indivíduo, da sua força física e mental, e da sua consciência dessa força ou falta dela.
nunca experimentei heroína, nuca achei que poderia correr o risco, já com coca foi diferente, mas só experimentei aos 27 anos, quando achei que estava preparada. sabia que queria satisfazer a curiosidade, e satisfiz. coca é óptimo, e péssimo. não vale a pena... ser feliz naturalmente é muito melhor!
à minha filha sempre lhe disse tudo, desde pequena, sobre a drogas todas, as que experimentei, as que não, etc. o primeiro charro ela fumou comigo (aos 14), a primeira piela também apanhou comigo (aos 9); não acho bem, pois acho que deve ser bem mais giro ter a primeira experiência com amigos do que com os pais, mas aconteceu, pois ela estava sempre a dizer "posso experimentar?" cada vez que havia álcool por perto ou os meus amigos fumavam charros (eu não fumo).
e lá lhe dissémos "força!". e lá bebeu e lá fumou (em ocasiões diferentes), e lá quis chamar o 112, pois estava a "tripar", e depois queria ir deitar-se e fi-la vir ao cinema, eu disse-lhe "agora fumaste, agora aguenta-te, vamos embora!", e depois ficou toda emocional e disse-me "obrigada", etc.
agora tem 18, fuma cigarros, bebe de vez em quando, e fuma charros de vez em quando, mas sabe tudo o que lhe posso ensinar sobre o resto, e acho que percebe, e diz que não está preparada, e que por isso nem sequer tem curiosidade.
sim, informação e abertura são essenciais, senão o mistério e a ignorância podem ser perigosos.

 
At 2:51 PM, Blogger aquelabruxa said...

aos 9 ou aos 11 já não me lembro bem

 
At 4:37 PM, Blogger SEAMOON said...

Eu posso falar em pais conscientes,sempre falei abertamente com o meu sobre tudo e ele sobre as experiencias que tinha tido em africa com drogas que nem sabia bem o que faziam.Mas o melhor que tive na parte desta educação foi um dia que ele pegou em mim e levou me a um espaço de reabilitação de toxicodependentes...ai vi e falei com pessoas e o que os percursos por esse mundo lhes tinham feito...tinha 13 anos desde já vos digo que qualquer curiosidade que tivesse passou me rápido...até hoje!
E concordo perfeitamente contigo alien,em que passa muito o papel dos pais neste campo,e que todos os esforços nunca são poucos..quer para que um filho ou um amigo não enrrede por esse caminnho quer para ajudá-los a sair de lá.

bjs

 
At 7:15 PM, Blogger Cruzeiro said...

Por muito que tentemos que eles não sigam esse caminho, e por mais educação que se lhes possa dar nesse sentido, a verdade é que pouco podemos fazer a não ser isso mesmo...já que a opção vai estar sempre nas mãos deles, por mais informação que lhes possa ser dada, por mais conselhos que lhe possamos transmitir...vai sempre depender da forma como cada um vai conseguir encarar a vida e os objectivos que pretenda dela...
O comentário do Pedro Oliveira, transmite bem a nossa sociedade, e a atenção que os pais de hoje dão aos seus filhos...dão-lhes tudo, menos atenção...

 
At 7:38 PM, Blogger O Monarca said...

Hey de novo.

Consegui aproveitar parte da hora de almoço para ler os comentários. Muito rico este post tem vindo a ficar. E se tivesse lido antes, não tinha dito o que disse, já que outros o disseram, de certa forma melhor.

Quanto à questão da experiência, nunca toquei num charro ou superiores. Já fumei alguns, mas passivamente (mais barato) :p Sou um maníaco pelo auto-controlo (hence the nickname), e isso só me ia deixar a detestar-me ainda mais. Aprendi-o da maneira legal, com umas bebedeiras valentes (hence legal), que me custaram algumas vergonhas e que serviram para deixar bem claro que não, não gosto de alterar a minha consciência.

Gosto do meu copito, poderei eventualmente ceder e desgraçar-me, mas só se estiver com apetites de parvalhão, e nesse caso sei para onde desço.

Portanto, de certa forma a experiência lá está, e ajuda. A curiosidade é sempre um factor de enorme peso. A procura de limites também (how low can you go, since it's easier to believe that than in how great you can be?). Mas continuo a defender que os pais devam dar o exemplo. Devem conhecer os filhos (e Hole, estou a 100% contigo nessa) e dizer-lhes como a droga lhes pode degradar aquilo que mais gostam - no meu caso, o meu delicado equilíbrio mental :p

Vou linkar o teu post ao meu, if you may, or may not!

Besos!

 
At 8:57 PM, Blogger Alien David Sousa said...

Monarca, concordo parcialmente quanto às companhias. Eu no Verão tinha um grupo que fumavam charros como eu bebia coca-cola e não foi por isso que eu alinhei na deles. Sim fumei os meus charritos. Mas,m muitos deles ficaram agarrados aquela merda,mal acordavam lá ia um charro e mais tarde mudaram de droga e eu mantive-me na COCA....COLA. Mas claro que não somos todos iguais, e se um miúdo/a tem tendncia para seguir os outros, é preciso ter cuidado com as companhias e aí concordo contigo 100%.

"Tornem-se alguém que as crianças reconheçam como confessor, que se orgulhem (as crianças) de nos terem como pais"
Subscrevo.
Fica bem, já falamos mais ;)MR Longo



Aquelabruxa,"o primeiro charro ela fumou comigo (aos 14), a primeira piela também apanhou comigo "

Tens uma mentalidade com que eu me identifico.
Muitas pessoas pensam como nós e dos casos que tenho acompanhado o resultado foi sempre positivo.
A tua filha vê-te como mãe e como uma amiga. E como te têm como amiga não precisa de andar às escondidas a fazer coisas que pode muito facilmente colocar na mesa e discutir contigo.
ABERTURA, sim!
Um grande bj



Seamon, ABERTURA. Tens com eles a mesma relação que a filha da AQUELABRUXA tem com a filha dela.
Sim, essa experiência num centro para reabilitação de toxicodependentes marca qualquer um e se calhar foi mesmo terapia de choque.
Aposto que a tua curiosidade pelas drogas morreu nesse dia!
bjs




Cruzeiro,claro que a última decisão está nas mãos deles. Mas se leres aqui estes dois comentários aqui em cima. Os da AQUELABRUXA e da SEAMOON, vais ver que a coisa não é assim tão preto no branco.
bjs



Hey Mr Long ;)
Sabes que há muitas pessoas como tu: " não gosto de alterar a minha consciência." A sério, conheço muitas.

"Mas continuo a defender que os pais devam dar o exemplo. Devem conhecer os filhos (e Hole, estou a 100% contigo nessa) e dizer-lhes como a droga lhes pode degradar aquilo que mais gostam "

Só te posso dizer que concordo. Como concordei com o Post do Hole (covinhas)
E mais, essas duas moças acima deste comentário uma conhece bem a filha e a os pais conhecem-na bem. E há outro comentário que me escapa agora que é outro exemplo excelente.

The link is aliveeeeeeeeeeeee! :D

 
At 9:38 PM, Blogger The blogger X said...

a droga é ilegais mas os bófias de hj em dia passam o dia na eskuadra a beber umas jolas e depois a para a i droga a passar e depois admiram-se das consequências.venho responder-t com isto k no dia 1 de outubro verás um post novo no meu blog.hasta!

 
At 10:04 PM, Blogger O Monarca said...

Hey!

O que eu queria dizer com a questão das "maçãs" precisa duma adenda: o que me foi ali ensinado foi a assumir uma atitude crítica perante novas amizades. Não deixar de ter os pés bem assentes quando se conhece gente nova, que até possa ter hábitos menos recomendáveis, mas ainda assim saber manter a distância, não da pessoa em si, mas das situações em que ela se possa colocar, e ao mesmo tempo, me colocar a mim.

Eventualmente se essa pessoa não parar de incidir nessas situações, de querer voltar a elas, então estarei constantemente afastado dela.

Vida universitária e o charro é bastante comum. Tenho bons amigos que usam disso, mas não estou com eles quando o fazem, muito pela mesma razão de que no seio de um grupo onde isso seja normal, anormal é não fazê-lo, portanto o impulso é ir pela mesma estrada.
Depois por alguma razão o grupo acaba-se, por vezes tarde demais (you're in too deep) e estás de volta a uma situação onde te marginalizam pelos teus hábitos, logo, queres é voltar à "normalidade" de outrora e voilá, pescadinha de rabo na boca.

(Divago. Mas que raio de post que foste arranjar miúda, é que podemos continuar nisto durante o próximo mês e o assunto não se esgota)

E escusavas de linkar o teu ao meu, apenas quis avisar que poderias ter uma enchente de 2 pessoas a visitar o teu blog, porque lhes recomendei este rico recanto.

 
At 10:27 PM, Blogger O Monarca said...

Ah! E alterar a minha consciência, falo da pureza daquilo que os meus sentidos captam. Não gosto de substâncias que causem ruído ou distorção naquilo que sinto do mundo.

Agora quanto a mudar a minha consciência de mim, do mundo, dos que me rodeiam, dos valores considerados universais, essa muda bastante. Às vezes mais devagar que o ideal, mas faço por que nunca seja estanque, fechada.

Agora se consigo...

Bem, chega! Nunca mais me calo que isto traz tanta coisa à mesa que ficava a noite toda nisto. Para não me tornar chato extremo, não me pronuncio mais sobre o caso! Garanto-vos, estejam descansados.

Desculpem lá a seca.

 
At 11:19 PM, Blogger Alien David Sousa said...

The Bloger X, é a policia que temos.
Fico contente, cada vez que passo por lá, vou na esperança de ler um novo post teu :D
Good Terrestre ;)



Hey long friend,
Antes de mais, podes e deves escrever quando e quantas vezes te apetecer. Não há aqui nenhuma lei que diga: " 1 comentário per pessoa"


"Não gosto de substâncias que causem ruído ou distorção naquilo que sinto do mundo."

Eu percebi à primeira, sou como tu nesse campo. Takes one to know one. ;)

 
At 12:19 AM, Blogger @ said...

Alien, vai ver os 2 últimos posts do meu blog, por favor.
bjs.

 
At 2:07 AM, Anonymous Anonymous said...

Costumo comentar com identidade, contudo, hoje tem de ser assim... (Desculpa)

Um jovem de 13 anos entra no seminário e passado mais ou menos um ano sofre uma tentativa de violação por parte de um superior... que fazer para esquecer aquela acontecimento? Bem um pouco de pó que um "grande amigo" tem à mão de certo que vai ajudar... sorte a minha... aquilo quase me matou e só uma noite mal passada nas urgências do hospital o salvaram... que teria acontecido se aqule pó não tem tido aquela reazção? teria acontecido o mesm que ao "grande amigo" que já partiu para nunca mais voltar?

 
At 2:14 AM, Blogger Alien David Sousa said...

Anonymous, Obrigada pelo teu testemunho.É fodi#"!!

 
At 2:20 AM, Blogger Claudia_peixinha said...

Querida Alien ,vim muito rápido dar-te um beijo grande em sinal de simpatia e agradecimento pelas tuas visitas ao aquário .

(Ando a trabalhar horas e horas por dia ,não tenho tempo para blogar infelizmente,mas não me esqueço de vcs.)

Como sempre o teu post é sobre um tema interessante e ao mesmo tempo delicado.Bem hajas:))

Jokas :))

 
At 2:41 AM, Blogger @ said...

Olá Alien. Pedi para veres porque de alguma forma o tema tb se interliga com este...a educação das crianças porque há comportamentos(nomeadamente estes que referes) que advém do facto de a determinada altura essas "crianças" se quererem libertar de tudo aquilo que lhes impingimos...
hasta mañana.

 
At 3:41 AM, Anonymous Fernando said...

É um tema difícil!!!! Como evitar... Fui lendo várias "receitas" ao longo dos vários posts, todas válidas.!!! Alguem disse... que o negócio da groga gera milhões.... E o negócio da prevenção, e recuperação??? Já alguem pensou nisso????? Diria que é capaz de gerar outros tantos....!!!
Alguem falou em governos e vontades políticas.... ´Já repararam concerteza que é proíbido falar ao telemóvel enquanto se conduz... Mas podemos fumar, será que é uma questão de lobbby???? Será que é porque a industria do tabaco é das que mais dá ao estado?????
Lógico que temos que pensar em informação, educação, abertura, e de tudo mais que já foi postado... Mas precisamos também de uma cultura social em que nos sintamos protegidos... que seja menos permissiva ás ofertas sem risco...
Da minha janela vejo a porta de uma escola secundária.... Vejo na maioria dos dias um carro parado do outro lado da rua com dois individuos dentro.... e vejo os estudantes num vai e vem até ao carro.... A polícia também...A da escola segura que passa por aqui várias vezes... Mas eles continuam lá... dia após dia!!!!
Hoje estou demasiado azedo....

 
At 4:08 AM, Blogger Hindy said...

Passei para deixar um beijinho! :o)

 
At 4:40 AM, Blogger Alien David Sousa said...

A, percebi a ligação. Mais no segundo post.
bjs


Peixinxa, um beijinho. Vê se arranjas tempo da próxima para comentares.


Fernando, se leres bem o texto,eu falo nos milhões que a droga gera. Nas políticas desastrosas dos governos etc. Mas isto daria outro blog.
O que tu apelidas de " receitas" são tentativas de soluções de pessoas ( muitas com filhos) para enfrentar um mal muito destrutivo.
Não damos receitas, damos opiniões.
Quanto ao carro parado ao pé da escola que os policias conhecem. Já pensaste em fazer uma reclamação por escrito? Pode ser que ajude e não custa nada.
Fica bem


Hindy, um beijiho alienígena

 
At 3:13 PM, Anonymous Fernando said...

Percebi que as "receitas" são mesmo opiniões!!! e não soluções milagrosas!!!! Gostei de ler!!! Tenho 2 filhos... E todas as opiniões me ajudam a ir formando a minha!!!! Obrigado a todos...
Ontem estava mesmo azedo.....
Quanto ao carro... já existem cartas na polícia local enviadas pelos moradores do prédio, e pelo concelho directivo da escola... A resposta é sempre, não podemos fazer nada... eles estão bem estacionados.... Esquisito não é???

 
At 5:36 PM, Blogger Cruzeiro said...

Alien,
Na vida nada é preto no branco...
É claro que quanto mais confiança e amizade houver entre pais e filhos mais facil é de controlar a situação, mas nem sempre assim acontece, o que resulta com alguns pode não resultar com outros...
Cada pessoa tem uma identidade própria e uma maneira de encarar a situação, basta que imagines a situação de outra maneira "se fumei um charro com a minha mãe é porque não faz mal, porreiro, posso continuar...", e olha que esta hipotese também é uma realidade.

 
At 7:50 PM, Blogger Alien David Sousa said...

Ok Fernando,todos temos os nossos dias ;)
É mais do que esquesito. A policia não deve querer trabalhar, ou não está mesmo para se chatear com isso. O problema é que se podem estar a viciar pequenos seres e um deles um dia pode apontar uma arma a cara de um desses policias.
É muito triste!!
bjs



Cruzeiro, todos os testemunhos que aqui tens, nenhuma mãe disse toma podes fumar é ok!
Não primeiro é preciso preparar o adolescentes para os riscos, para o perigo das drogas. E quando chegar o momento,é melhor fumar com a mãe ou pai do que com um grupo da rua que no dia seguinte vai voltar a impingir mais.
bjs

 

Post a Comment

<< Home